O que acontece com um sinal de rádio durante uma explosão atômica?

13 01 2018

Adrian M. Peterson

É bastante evidente que não existe similaridade entre um eclipse total e uma explosão atômica. O eclipse total proporciona um bonito espetáculo de escuridão, enquanto a explosão atômica traz destruição e devastação.

Entretanto, apesar da grande diferença entre ambos, há um ponto em comum: os dois causam mudanças na atmosfera superior que impactam na propagação de sinais de rádio.

O atol Johnston é um conjunto de quatro ilhas de coral distantes 1385 km a sudoeste do Havaí, com uma área de menos de 2 km². Elas nunca foram povoadas, embora tenham ocorrido ocupações por breves períodos por militares norte americanos.

Durante os anos de 1958 a 1975, os Estados Unidos conduziram diversos testes nucleares a partir de foguetes na atmosfera, em níveis altos e baixos. Monitoramentos de sinais de rádio no Havaí, Japão e Nova Zelândia demonstraram que a propagação na zona da explosão em quase todas as frequências foi bastante reduzida, assim como o ruído atmosférico (QRN). Aparentemente a explosão produziu um efeito de absorção de todas as transmissões de rádio.

Imediatamente após a explosão houve o desaparecimento dos sinais e QRN, com recuperação parcial logo em seguida e, em nível total, às vezes apenas após alguns dias ou mesmo semanas. Um relatório informou que o distúrbio no comportamento de todos os sinais de rádio e ruído atmosférico foi similar ao que ocorre durante grandes explosões solares.

Em Rarotonga, nas Ilhas Cook, um radioescuta relatou o blackout completo de todos os sinais de rádio por cerca de cinco dias, exceto nas faixas do extremo superior do espectro de rádio frequência, e também na porção inferior, mesmo durante o dia. A estação receptora de Quartz Hill em Wellington, Nova Zelândia, relatou uma melhora no sinal da BBC em 25 MHz (11 metros).

Os Estados Unidos instalaram um transmissor de ondas curtas na Ilha Johnston especificamente para os testes nucleares em baixa atmosfera para o ano de 1962. Ele transmitia tons específicos em 12020 kHz similares aos da estação de sinais havaiana WWVH.

No horário da explosão, às 0900 UTC de 9 de Julho de 1962, Quartz Hill captou um clique do referido transmissor seguido por total silêncio. Não há registro de que alguém tenha confirmado essa transmissão única.

Durante o teste nuclear, Quartz Hill também manteve sintonia da emissora 2UE de Sydney em 950 kHz, 1YA de Auckland em 760 kHz, Rádio Austrália via Shepparton em 7190 kHz, VOA via Honolulu em 9650 kHz e WWV desde Boulder, Colorado, em 10000 kHz. Em todos os casos, na hora da explosão o sinal foi ou completamente perdido ou seriamente diminuído. É importante mencionar que na época a WWVH ficava fora do ar por três minutos após a hora cheia.

Um ouvinte de Invercargill, no extremo da Ilha do Sul da Nova Zelândia relatou que a única estação de ondas médias da Ilha do Norte que podia ser captada era a potente 2YA, que com 100 kW operava em 570 kHz. Mesmo assim, seu sinal estava muito abaixo do normal.

Durante os meses de Agosto e Setembro de 1958, os Estados Unidos conduziram uma série de testes nucleares secretos no Atlântico Sul. Eles ocorreram a altitudes extremamente altas, mas mesmo assim os resultados com relação a propagação foram muito similares aos dos ocorridos no Pacífico Sul e Central.

As informações apresentadas neste artigo foram possíveis graças a diversas páginas na internet. Gostaria de agradecer ao Jornal Neozelandês de Geologia e Geofísica por disponibilizar material para pesquisa e ensino sobre este assunto.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx


Ações

Informação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.




%d blogueiros gostam disto: