O serviço do norte da KDKA

23 06 2018

Adrian M. Peterson

O primeiro serviço internacional regular em ondas curtas foi inaugurado pela Westinghouse na época em que seus transmissores ainda estavam no topo do Edifício K de seu complexo fabril em East Pittsburgh, Pennsylvania. Mas, na época a produção dos programas já tinha sido transferida do Edifício K para o Hotel William Penn, no número 530 da William Penn Place, no subúrbio de Pittsburgh.

Em seu livro sobre a história da radiodifusão em ondas curtas nos Estados Unidos, Michael K. Sidel conta a história de como a famosa emissora de ondas médias  KDKA começou o primeiro serviço internacional em ondas curtas. Foi no verão do ano de 1923 que a KDKA, que na época ainda nem tinha chegado ao seu terceiro ano de vida, em que George A. Wendt, da subsidiária canadense da Westinghouse Company, de Hamilton, Ontário, sugeriu que a KDKA introduzisse um serviço para os residentes no extremo norte do país.

No verão de 1923, os postos do norte da Real Polícia Montada do Canadá recebeu receptores de ondas curtas que podiam sintonizar a programação da KDKA-8XS desde Pittsburgh. O Serviço do Norte da Westinghouse foi introduzido naquele mesmo verão e ia ao ar em ondas médias e curtas todos os sábados à noite.

A programação consistia de cartas dos ouvintes, notícias e músicas e era dirigida à região do Ártico canadense, incluía postos da polícia, pessoal em serviço comercial na Baía Hudson como os da empresa francesa Revillon Freres e missões católicas isoladas. A KDKA recebeu diversas cartas elogiosas de ouvintes após o final do inverno na região, que permitiu o fluxo de correspondência no ano de 1924.

Histórias do serviço do norte incluem a transmissão de uma mensagem especial a um caçador na Baía Hudson em 17 de Janeiro de que sua esposa estava se recuperando satisfatoriamente após uma cirurgia de emergência. Entretanto há mais sobre esta história interessante que uma mera frase:

Em 1906, James S. C. Watt, na época com 22 anos, migrou da Escócia para o leste do Canadá, onde aceitou logo em seguida um emprego na Hudson Bay Company. Na mesma época, a estudante secundária Maud Maloney chamou sua atenção. Maud nasceu na Península Gaspe, na costa sul do Estuário St Lawrence em 1894, era a décima filha de uma família de ascendência irlandesa e francesa com dezesseis crianças. Ela era fluente em Francês e Inglês, e subsequentemente adquiriu conhecimento do idioma Algonquin falado no norte em nível de conversação.

Conforme o tempo passou, James Watt aceitou uma transferência por parte da Hudson Bay Company para Fort McKenzie, na província de Quebec; e Maud aceitou um emprego durante o estágio inicial da I Guerra Mundial como telegrafista em Clarke City, um pouco a leste da entrada norte do estuário do golfo St. Lawrence. Posteriormente, em uma cerimônia simples, o presbiteriano James Watt, nos seus vinte e poucos anos e a garota católica Maud Maloney, que estava na faixa dos dezoito, se casaram e estabeleceram residência em Fort McKenzie.

Embora o pequeno entreposto comercial de Fort McKenzie fosse localizado no norte da província de Quebec, era acessível apenas após uma árdua viagem de navio pela costa de Labrador seguida por um longo trajeto de 320 km. A família Watt viveu boa parte de sua vida naquela localidade.

Em uma ocasião, Maud precisou passar por uma cirurgia de emergência e viajou para um hospital em North Bay, a 280 km ao norte de Toronto. A operação foi um sucesso e ela queria informar seu marido, que ainda estava a caminho de Fort McKenzie, de que estava tudo bem.

Ela tinha alguns amigos que fizeram contato com a estação KDKA e Frank E. Mullen incluiu a mensagem de boa nova na transmissão do serviço rural. James Watt costumava ouvir a frequência em ondas curtas da KDKA em busca de notícias, informações e entretenimento. O solitário residente do norte posteriormente agradeceu à emissora por carta a emissora, informando que de fato tinha ouvido a informação sobre sua esposa.

Três anos e meio depois, Maud estava em outra viagem pela costa de Labrador, retornando a Fort McKenzie. Junto com ela estavam seus dois filhos, Hugo, com dois anos e meio, Jaqueline, com seis meses e uma criança adotada de nove anos, Alice McDonald.

Em 22 de Julho de 1927, o navio Bayrupert, que estava em sua segunda viagem pelo norte, colidiu com a rocha Clinker e teve seu casco partido ao meio. O operador de rádio enviou imediatamente um pedido de socorro em código Morse e em resposta um rebocador resgatou todos a bordo e os desembarcou na ilha Farm Yard. Logo depois, Maud e seus três acompanhantes embarcaram no navio Kyle de volta a Newfoundland, onde aguardaram a até que os navios voltassem a percorrer a costa na primavera do ano seguinte.

Tanto Maud como James se afeiçoaram aos povos do norte e seu serviço a eles foi extensamente reconhecido. Maud recebeu o título informal de Anjo da Baía Hudson; diversos livros narraram suas façanhas e filmes registraram suas aventuras pelo Ártico canadense.

Vamos voltar a 1924: em 4 de Agosto o governo canadense solicitou à KDKA para manter contato com o navio de suprimentos da Guarda Costeira CGS Arctic durante sua jornada anual pelos postos isolados do norte do país. Os equipamentos de rádio foram instalados no CGS Arctic em Quebec antes de iniciar sua viagem, com William Choat, um rádio amador de Toronto, como operador de rádio. O CGS Arctic tinha sido registrado em Newfoundland, que na época não fazia parte do Canadá, e seu equipamento de rádio foi licenciado com o indicativo VDM.

Conforme solicitado, a estação de ondas curtas da KDKA em Pittsburgh manteve contato regular em código Morse durante os quase três meses da viagem de 1924 do CGS Arctic de Quebec rumo aos postos de norte e de volta a Quebec. Um dos rádio amadores que mantiveram contato com William Choats durante a viagem foi um pioneiro no hobby, Gerald Marcuse (G2NM). Há que se ressaltar que Marcuse começou a transmitir em ondas curtas três anos depois e esse foi o início da programação internacional em ondas curtas a partir da Inglaterra.

Na época, o serviço do norte da KDKA-8XS era apresentado geralmente em Inglês, embora em determinadas ocasiões o Bispo Turquetil falasse aos habitantes do norte do Canadá em um dos idiomas Esquimós. Em 1938, o programa passou a ser irradiado em cinco idiomas: Inglês, Francês, Dinamarquês, Islandês e Esquimó. As transmissões da temporada do inverno de 1939 começaram com uma mudança dupla de indicativo, de W8XS para W8XK e então para WPIT.

Em Dezembro de 1933, a Canadian Radio Broadcasting Corporation (CRBC) iniciou seu próprio serviço para o norte intitulado Canadian Northern Messenger e foi baseado no conteúdo de sucesso da KDKA, que já tinha dez anos de idade. Esta será uma história para um próximo artigo.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx

 





O serviço mensageiro do norte canadense

6 05 2018

Adrian M. Peterson

No verão de 1923, receptores de ondas curtas foram enviados a postos avançados da Real Polícia Montada Canadense com o propósito de permitir a sintonia da estação de ondas curtas dos Estados Unidos KDKA, de Pittsburgh, Pennsylvania. Com isso, famílias isoladas servindo no congelante norte canadense poderiam se manter em contato com os eventos no resto do mundo diminuindo assim a sensação de solidão.

A subsidiária canadense da Westinghouse em Hamilton, Ontário, sugeriu à KDKA que produzisse algum tipo de programação especial a esses moradores isolados e que fosse direcionada ao norte na faixa de ondas curtas. A KDKA, na época com apenas dois anos e meio de vida, preparou uma programação especial para o extremo norte do Canadá, iniciando o no verão de 1923 o Serviço para o Extremo Norte da KDKA.

A programação consistia de cartas dos ouvintes, mensagens à famílias isoladas e amigos, notícias, informações e músicas. Tais transmissões foram inseridas inicialmente na programação já existente da KDKA, embora conforme o tempo passou o Serviço para o Extremo Norte passou a ser um programa em si.

Tal conteúdo tornou-se regular durante o inverno, indo ao ar geralmente de Novembro a Maio. Em muito ajudou nas diversas situações em que a entrega de correspondências ou outras mercadorias foi suspensa por conta do inverno Ártico.

As transmissões eram feitas pela KDKA em ondas médias e pela 8XS em ondas curtas (posteriormente W8XK e WPIT), bem como por outras emissoras de ondas médias e curtas da Westinghouse nos Estados Unidos. O serviço foi mantido por 17 anos.

Em uma publicação de 1939 havia a informação de que a programação iria ao ar pela KDKA em ondas médias e pela WPIT em ondas curtas a partir de 1 de Novembro. Imagino que esta foi a temporada final do Serviço para o Extremo Norte, que foi ao ar até Maio de 1940.

Em 1932, uma rede pequena de transmissores de ondas médias anteriormente mantidos e operados pela Estrada de Ferro Nacional Canadense foi adquirida pela CRBC, a recém formada Canadian Radio Broadcasting Commission. Inicialmente, a CRBC operou apenas três emissoras: CRCO em Ottawa, Ontário, CRCA em Moncton, New Brunswick e CRCV em Vancouver, Columbia Britânica, com a estação Vancouver como cabeça de rede.

Logo depois de organizada, a CRBC começou a planejar seu próprio serviço para o norte, que passou a ser uma cópia bem sucedida da empreitada da KDKA-8XS. Em Dezembro de 1933, o novo programa, sob o título Mensageiro do Norte Canadense, foi inaugurado em um programa especial de sábado à noite e transmitido a partir de todas as emissoras de ondas médias da crescente rede da CRBC.

No início, as transmissões tinham um duração de uma hora e meia a duas horas e iam ao ar nos sábados às 23:30. Assim como para as transmissões via KDKA-8XS, consistia de cartas de ouvintes, mensagens importantes de familiares e amigos, notícias e músicas. Da mesma forma era transmitida durante o inverno no Ártico, entre Novembro e Maio.

A produção dos programas era feita no estúdio da CRBC em Toronto. A estação de ondas médias em Toronto contava com uma mistura interessante de equipamentos de outras emissoras da região e utilizava o indicativo CRCT.

Além da cobertura em ondas médias, a programação ia ao ar em ondas curtas. Em seu interessante livro “The Early Shortwave Stations”, o historiador do rádio Jerome Berg, de Boston, informa que inicialmente quatro estações de ondas curtas do Canadá levaram ao ar o Serviço Mensageiro do Norte Canadense de forma regular conforme segue:

VE9DN – Drummondville – Quebec – Marconi Co – 6 kW – 6005 kHz

VE9GW – Bowmanville – Ontário – Gooderham & Worts – 0,2 kW – 6095 kHz

VE9CL – Winnipeg – Manitoba – Richardson Co – 2 kW – 6150 kHz

VE9JR – Winnipeg – Manitoba – Richardson Co – 2 kW – 11720 kHz

Quatro anos depois a CRBC passou a integrar uma organização similar, a CBC, Canadian Broadcasting Corporation, fato ocorrido em 2 de Novemdro de 1936. A produção e transmissão do referido programa continuou sob administração da CBC.

Em 1937, conforme nos informa Jerome Berg, o esquema de transmissões nas noites de sábado passou a ser o seguinte:

VE9DN – Drummondville – Quebec – Marconi Co – 4 kW – 6005 kHz

CRCX (VE9GW) – Bowmanville – Ontário – CBC – 0,5 kW – 6095 kHz

CJRO (VE9CL) – Winnipeg – Manitoba – Richardson Co – 2 kW – 6150 kHz

CJRX (VE9JR) – Winnipeg – Manitoba – Richardson Co – 2 kW – 11720 kHz

W8XK (8XS) – Saxonburg – USA-PA – Westinghouse – 40 kW  – 4 faixas de ondas curtas

Dezoito anos depois e já estamos em 1954. A II Guerra Mundial já tinha terminado e a expansão e desenvolvimento do pós-guerra estavam a plano vapor. As transmissões foram reintroduzidas a partir da noite de 5 de Novembro e a lista de emissoras de ondas médias que levavam ao ar o conteúdo eram:

CBW – Winnipeg – Manitoba – 50 kW – 990 kHz

CBK – Watrous – Saskatchewan – 50 kW – 540 kHz

CBX – Lacombe – Alberta – 50 kW – 1010 kHz

CBXA – Edmonton – Alberta – 0,1 kW – 740 kHz

Cada edição do programa era produzido nos estúdios da CBC das estações CBX e CBXA em Edmonton, Alberta, para posterior transmissão em ondas médias e curtas. Exatamente uma semana depois, uma gravação da transmissão original era retransmitida pelos 50 kW da estação de ondas médias CBA em Sackville, New Brunswick.

Além da programação a partir dos estúdios da CBX e CBXA em Edmonton, esta também ia ao ar por meio da VED, uma estação utilitária operada pela Royal Corp of Signals em seu acampamento no extremo norte de Edmonton. Esta área hoje é ocupada por residências.

O transmissor militar de 5 kW, modelo TH41, foi construído pela subsidiária local da Marconi em Kanata, Ontário e usado para retransmissão da programação da CBC para uma rede pequena de estações de ondas médias no norte. As três letras do indicativo VED são relacionadas a: Canadá para a letra inicial V e Edmonton para as letras subsequentes ED.

A estação VED entrou em operação em 1924 e passou a integrar o serviço de retransmissão da CBC em 1949, permanecendo até 1956. Ouvintes relataram três canais em ondas curtas usados para alimentar as emissoras de baixa potência em ondas médias: 8255 kHz, 8265 kHz e 7230 kHz.

Dois anos depois do fim das retransmissões da CBC pela VED (1958), houve o anúncio de planos para instalação de um transmissor de 50 kW em Vancouver para cobertura de áreas isoladas no norte. Tal plano nunca foi implementado, mas houve então a inauguração do Serviço do Norte da CBC, que será tema de outro artigo no futuro.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx





Faro del Caribe

28 04 2018

E. J. Whitehead

Entre as diversas emissoras latino americanas estão algumas estações não comerciais que buscam a melhora no nível educacional e cultural de suas populações apesar das dificuldades. Considerando a luta constante para obter fundos, para encontrar pessoal adequado e manter equipamentos desatualizados em funcionamento, é um pequeno milagre que elas continuem ano após ano e talvez seja mesmo pela graça de Deus que elas conseguem sobreviver. Uma delas é a TIFC, Faro del Caribe.

A Faro del Caribe foi fundada pelo líder religioso Clarence Jones em 1945. Naquele ano, Jones estava consciente da necessidade de uma emissora cristã na Costa Rica e fundou a emissora TIFA. O controle dela foi por pouco tempo e a posse da emissora foi para as mãos do costa-riquenho com ascendência italiana Francisco Arie. Arie, por sua vez, vendeu a TIFA à Missão Latino Americana (LAM) em 1947, evento este que iniciou a história moderna da TIFC.

Logo após assumir o controle da TIFA, a LAM começou modernizar as instalações e a recrutar pessoal adicional. Fundos foram arrecadados por uma campanha liderada pelo Dr. Kenneth Stacham, o que levou à substituição de equipamentos antigos. Entre o novo pessoal a compor a equipe estavam um engenheiro e missionário e dois ajudantes que começaram a trabalhar no Natal de 1947. Com isso, a TIFC começou  a fazer transmissões de teste com conteúdo do oratório “O Messias”. Apenas em fevereiro do ano seguinte começaram as transmissões regulares.

A emissora hoje

O nome Faro del Caribe, ou Farol do Caribe em Português, reflete o objetivo de iluminar o caminho para uma vida melhor de sua audiência. Para isso, a a TIFC (TI para Costa Rica e FC para Faro del Caribe) busca desenvolver as faculdades intelectuais e morais da nação e servindo à população o “pão diário” por meio de sua programação evangélica.

Como se trata de uma emissora não comercial, a TIFC é mantida apenas pela contribuição de sua audiência, notadamente os Evangélicos da Costa Rica, que apesar dos seus parcos recursos generosamente mantêm a emissora. Mais de 30 mil dólares foram arrecadados e investidos em novos equipamentos e instalações e, atualmente, uma campanha para arrecadar outros 20 mil dólares está em curso.

A emissora opera com uma equipe de onze pessoas em uma casa localizada em San José, a capital da Costa Rica. Administrada por Don Federico Picado O., o pessoal também inclui duas secretárias; três locutores: Isral Zuñiga, Franklin Valverde e Rafael Martinez; o diretor de programação Manuel Viquez; um assistente administrativo e três pessoas responsáveis pelo departamento de engenharia consistindo de um engenheiro, Thelvin Cabezas e dois técnicos.

Para levar ao ar a mensagem da Bíblia aos ouvintes da América Central e Caribe, ela transmite em dois idiomas e quatro frequências. A maior parte de sua programação é em Espanhol e tem início às 10:00 UTC. A programação em Inglês também é levada ao ar diariamente, começando às 03:00 UTC. Um novo transmissor de 5 kW é usado para ondas médias (1057 kHz), enquanto o mais antigo (1 kW) é usado nas frequências conhecidas de 6037 e 9645 kHz. A frequência de 97,1 MHz em FM também é utilizada, mas com apenas 250 watts. Uma torre com 75 metros de altura irradia os sinais em ondas médias, enquanto para ondas curtas é empregada uma antena dipolo.

Em sua transmissão noturna de 70 minutos (90 nos fins de semana) em Inglês, a Faro del Caribe apresenta conteúdo noticioso produzido pela Voz da América e programas religiosos variados. Entre os destaques estão os programas “Shew me a penny”, “Hour of decision”, “Baptist hour”, “Unshackled” e “The hobby of the kings”.

Milhares de cartas a cada ano são a testemunha da eficiência do trabalho evangelizador da emissora. Todas as cartas são respondidas e informes de recepção corretos, que variam entre 70 e 180 a cada mês são devidamente contestadas com cartão QSL, carta pessoal e folheto religioso. Flâmulas não estão disponíveis no momento, mas há planos de emissão de uma durante a celebração do próximo aniversário da emissora.

Tempos de crise

A TIFC sofre com um pequeno contingente, problema este que constantemente desafia a operação normal da emissora. A situação é grave a ponto que a perda de algum funcionário de setor vital pode tornar inviável sua operação. Sharon Taylor, Secretária do Serviço em Inglês explica: “precisamos de ao menos dois engenheiros. Nós temos um, mas ele não pode estar aqui o tempo todo e os ajudantes também passam pela mesma situação. Recentemente recebemos a triste notícia de que nosso engenheiro está indo trabalhar em outro emprego. Agradecemos as orações no sentido de resolver mais este problema.

Um vislumbre de esperança

Conforme se aproxima de seu 25º aniversário, a TIFC olha para o futuro com a esperança de que os problemas atuais serão favoravelmente resolvidos. Então, apesar dos problemas atuais, a Faro del Caribe tem buscado a melhora na recepção na zona rural da Costa Rica na faixa de 60 metros. A permissão para operar na frequência de 5020 kHz já foi obtida do governo do país caso a campanha de levantamento de fundos para a aquisição de um transmissor para operar nesta frequência tenha sucesso iniciará no próximo ano.

Embora a TIFC tenha alcance mundial, sua área de cobertura principal é a Costa Rica. Entre cafezais e bananais, a Faro del Caribe, com o duplo propósito de evangelizar e iluminar as mentes de seus ouvintes, trabalha sem descanso para ajudar na caminhada rumo a uma vida melhor a quem nos segue.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx





Ouvindo ondas tropicais

22 04 2018

Michael P. Mahoney

Um das mais ignorados e intrigantes aspectos do Dexismo é a escuta das Ondas Tropicais. Muitas pessoas tem receio em praticá-la por conta dos problemas encontrados para entender os idiomas utilizados nesta faixa; outros nem mesmo sabem que ela existe! Isso é uma pena, pois quem a ignora perde a chance de ouvir a programação que reflete outras culturas muitas vezes não apresentadas por emissoras internacionais. Sem contar que, se você for um Dexista sério, tem quatro outras faixas para se divertir!

Estas quatro faixas são: a) a de 60 metros, onde a maioria das emissoras pode ser encontrada entre 4700 e 5100 kHz; b) a de 75 metros, entre 3950 e 4000 kHz; c) a de 90 metros, entre 3200 e 3400 kHz e a de 120 metros, entre 2350 e 2500 kHz.

Esse conjunto de frequências foi alocado para as regiões tropicais do planeta pela União Internacional de Telecomunicações, em Genebra, Suíça. Seguem os principais fatores que contribuíram para o estabelecimento das ondas tropicais: 1) a maioria dos países da zona Equatorial são subdesenvolvidos, então existe a necessidade de que algumas emissoras cubram regiões vastas; 2) uma vez que os países tropicais sofrem com alta incidência de tempestades elétricas durante o ano inteiro, tornando muitas vezes a transmissão em ondas médias inviável em diversas ocasiões; 3) as faixas internacionais de radiodifusão (25, 31 e 49 metros) já são altamente ocupadas mesmo sem a presença de emissoras domésticas; 4) Levando em conta que as frequências abaixo dos 6 MHz não são sempre confiáveis para transmissão a longa distância, as faixas tropicais parecem ser o lugar ideal para as emissoras que não buscam cobrir áreas maiores que 1000 a 2000 km e, em alguns casos com distância até mesmo menor.

Como as emissoras de ondas tropicais operam com objetivo de cobertura doméstica, diversos idiomas inexistentes fora delas pode ser bastante razoável. E, juntamente com a dificuldade de tentar entender o Espanhol e Português da América Latina, idiomas locais da África e Ásia, bem como os sotaque dos idiomas coloniais (Inglês e Francês) podem apresentar um grande desafio para o ouvinte. No caso de estações africanas transmitindo em Inglês o sotaque é realmente muito forte ou há até mesmo a presença de variantes dele existente em uma região em particular, tornando a compreensão bastante difícil.

Mas, para contrabalançar a barreira do idioma (e ao mesmo tempo ajudando o Dexista), mais e mais emissoras de ondas tropicais levam ao ar anúncios comerciais. E, uma boa parcela dos produtos anunciados são conhecidos dos consumidores norte americanos.

O maior número de emissoras desta faixa está concentrado em uma região, a América Latina. A maioria é de propriedade de entidades privadas, similar ao panorama da América do Norte. Sua manutenção vem totalmente da rendas dos anúncios. Isso fica bastante evidente quando uma emissora leva ao ar 18 comerciais em sequência!

A cena radiofônica na Ásia e África é um pouco diferente da América Latina. Quase todas as emissoras são de propriedade ou associadas ao governo dos países em que estão instaladas. Muitas delas são financiadas por taxas pagas pelos cidadãos do país ou subsídios dos governos. A radiodifusão comercial é bastante recente. Os melhores países para encontrar campanhas comerciais são: África do Sul, Rodésia, Moçambique, Suazilândia, Quênia, Malawi, Gana e Nigéria.

Na Oceania, todas as emissoras estão ligadas a governos. Embora a Austrália (e agora a Nova Zelândia) possua emissoras comerciais em ondas médias, as ondas curtas são reservadas à agências governamentais. Algumas das melhores emissoras da Oceania pertencem à Australian Broadcasting Commission. Há algumas poucas emissoras que levam ao ar anúncios, notadamente das Ilhas Salomão, Fiji e Nova Caledônia.

Agora que temos uma ideia do que são as ondas tropicais,  é importante falar sobre algumas formas de entrar em contato com as emissoras quando do envio de informes de recepção. Tente usar as diretivas abaixo para cada informe enviado:

  1. Tente enviar os informes no idioma ouvido ou na língua oficial do país da emissora;
  2. Seja mais explícito quando informar os dados da recepção, explicando as condições em palavras.
  3. Tente incluir nomes de músicas, se possível. Caso hajam anúncios, inclua os nomes dos produtos e patrocinadores. No caso de diversas emissoras latino americanas esta é a única forma de determinar se o Dexista ouviu determinada emissora ou não.
  4. Lembre-se que essas emissoras tem como alvo o público local. Muitas delas não têm condições de tratar um grande volume de correspondências de ouvintes do exterior. Ao menos um ou dois cupons de resposta internacionais (IRCs) devem ser incluídos com cada informe. Caso a emissora esteja em localidades muito remotas é recomendável o envio de selos do país de origem ao invés de usar IRCs, pois é bem provável que o correio local não esteja em condições ou mesmo não aceite recebê-los.
  5. Envie alguma lembrança ou cartão postal da sua cidade ou região junto com o informe. É um pequeno gesto de amizade e boa vontade.
  6. Acima de tudo, não exija da emissora uma confirmação. Um QSL é um favor da parte da emissora. Na radiodifusão em ondas tropicais, trata-se mais de um gesto de boa vontade, pois estão confirmando informes os quais nunca solicitaram e que possivelmente não tem utilidade.

Antes de encerrar, gostaria de ressaltar uma regra importante da escuta em ondas tropicais – esta faixa proporciona captações a longa distância sob total ou em condições próximas em caminhos sob escuridão. Então, para a África o final da noite/amanhecer  ou fim de da tarde/anoitecer. Para a Oceania e Ásia o amanhecer é a melhor opção. A América Latina pode ser captada do anoitecer ao alvorecer.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx





Radiodifusora La Voz del Rio Carrizal

14 04 2018

Phil Schnabel

Os sons da Radiodifusora La Voz del Rio Carrizal (Radio Carrizal), localizada a 50 km da costa do Pacífico em Calceta, Manabi, foram ao ar pela primeira vez em 1 de Dezembro de 1959. No contexto da radiodifusão comercial, ela serve como fonte de informações sobre eventos locais e fonte de entretenimento de sua audiência, atuando como vínculo entre Calceta e os locais mais distantes do país.

Foram feitos diversos avanços pelo Gerente, Roque Navarrete Velasquez e pelo Diretor de Programação, Ovido Velasquez e seus filhos, L. Velasquez, E. Velasquez N. e V. Navarrete V., que atuam nas áreas técnica e administrativa. A afiliação com a Asociación Ecuatoriana de Radiodifusors – Nucleo de La Provincia de Manabi, ajudou a alargar o escopo da programação de forma a atender tanto a audiência regional como nacional.

Atendendo a demanda principal, a seleção musical levada ao ar pela Radio Carrizal reflete o gosto da população costeira. Contrastando com diversas emissoras equatorianas, que atendem primeiramente a uma vila ou província, a Radio Carrizal obteve audiência em nível nacional operando apenas em ondas curtas “para todo el pais”.

A emissora tem avançado tecnicamente e agora possui recepção ainda melhor nas áreas distantes. Em 1970 a potência de saída foi melhorada de 500 para 2000 Watts.

Até o dia 22 de Junho a Radio Carrizal operou nominalmente na frequência de 3630 kHz. As transmissões ocorriam em 3570 kHz devido ao ajuste inadequado do cristal do transmissor. A mudança de frequência foi ordenada pelo governo militar e a partir de 24 de Junho as transmissões passaram aos 3260 kHz. Tal mudança ocorreu pelo desejo do governo de sistematizar tecnicamente a radiodifusão no Equador. O gerente solicitou informes de recepção da nova frequência.

A recepção da HCOS4 tem sido captada por volta das 0300 UTC; o encerramento da transmissão ocorre pouco depois. A Radio Carrizal, por refletir a cena radiofônica comercial do país com uma programação orientada à comunidade e espírito progressista, certamente é um alvo interessante para o Dexista.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx





A KDKA e o início da era das ondas curtas

8 04 2018

Adrian M. Peterson

De acordo com informações históricas das estação de ondas médias KDKA, de Pittsburgh, Pennsylvania, o Dr. Frank Conrad fez suas primeiras observações com relação a propagação de sinais de rádio em ondas curtas em 1920. Ele observou que as harmônicas dos transmissores de ondas longas e médias geralmente se propagavam com melhor sinal e cobertura mais ampla em ondas curtas que a frequência fundamental. Tal fenômeno o levou a começar um estudo sério das possíveis vantagens de transmitir em ondas curtas.

Na primavera de 1921, Conrad iniciou transmissões experimentais a partir da sua estação amadora 8XK, no segundo andar da garagem da família, na esquina entre as ruas Penn e Peebles, em Wilkinsburg. As transmissões experimentais na faixa de 100 metros proporcionaram boa recepção em estações amadoras de seus amigos em Boston.

Em 1922, Conrad coordenou a construção de um transmissor de ondas curtas de 1 kW na fábrica da Westinghouse em East Pittsburgh. Em Agosto ele foi instalado em uma casa de madeira no topo do edifício K, onde entrou em operação experimental sob o indicativo 8XS.

Fotos em preto e branco tiradas durante aquele período mostravam o abrigo do transmissor no edifício K, que era o mais alto de um conjunto que abrigava diversas fábricas em East Pittsburgh. Na época, o transmissor de ondas médias da KDKA ficava no mesmo local e a antena de ondas curtas da 8XS também ficava no topo do mesmo prédio.

A antena de ondas curtas para as transmissões em 100 meters (3 MHz) tinha 12 metros de comprimento a uma altura de 10 metros do topo do prédio. A antena consistia de cinco fios paralelos unidos no lado oeste a uma linha aberta. A programação das transmissões experimentais era oriunda da emissora de ondas médias da KDKA.

Em 4 de Março de 1923, a estação 8XS começou a retransmitir em ondas curtas a programação para a emissora de ondas médias da KDPM, localizada nas instalações da Westinghouse em Cleveland, Ohio. A retransmissão ia ao ar por várias horas todas as tardes.

Em 22 de Novembro, a programação da KDKA foi retransmitida em ondas curtas para outra emissora de ondas médias, desta vez a KFKX, de Hastings, Nebraska. A KFKX levou ao ar a programação por meio de dois transmissores; em ondas médias para cobertura local e ondas curtas para abrangência regional na Califórnia.

As retransmissões em ondas curtas da 8XS para as emissoras de ondas médias KDPM e KFKX foram encerradas pouco tempo depois por conta da qualidade ruim da programação retransmitida.

Em Julho de 1924, ambos transmissores foram transferidos para outra instalação da Westinghouse, desta vez em Greensburg Pike, em Forest Hills. Distante apenas 1,5 km da localidade original, foram abrigados em um prédio de concreto.

O transmissor de ondas curtas usava um tubo de cobre de 15 metros preso a um mastro de madeira como antena. O indicativo 8XS foi abandonado e a licença histórica de Conrad 8XK foi transferida para a Westinghouse.

Em um boletim de Abril de 1928 havia o relato de que o sinal em ondas curtas da KDKA-8XK em 26 metros era muito estreito e difícil de sintonizar e em 62 metros era forte, mas com modulação ruim. No mesmo ano, a regulamentação internacional incluiu a letra W como primeira a ser incluída nos indicativos, então a 8XK tornou-se W8XK.

Na busca pela melhora da cobertura em ondas médias da região de Pittsburgh, outra mudança foi feita em 1931. Uma nova estação de grande porte foi então construída em Saxonburg, após outros 62 locais próximos terem sido examinados.

Em homenagem à KDKA e como forma de dar as boas vinda à emissora, o nome da via em que a estação foi construída adotou o nome KDKA Boulevard. Entretanto, um ou dois anos depois a KDKA Boulevard foi renomeada como Saxonburg Boulevard.

O prédio em Saxonburg foi construído em uma área de 130 acres e contava com quatro transmissores de ondas curtas de 40 kW cada. Os transmissores de ondas médias foram instalados na parte norte e os de ondas curtas na parte sul.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx





O maior QSL do mundo: o folheto sul-americano

24 03 2018

Adrian M. Peterson

Em 1998, o concurso DX do programa Wavescan buscou o maior cartão QSL do mundo e houveram centenas de participações de todo o mundo. O maior deles revelava por meio de um conjunto de doze cartões uma fotografia panorâmica completa da cidade de Quito quando colocados lado a lado.

Esta série de doze cartões QSL foi emitida pela famosa emissora religiosa HCJB em 1996. A imagem completa ocupa uma área de 1,65 m².

Entretanto, recentemente adquirimos um folheto de uma emissora da América do Sul cuja capa contém o texto de confirmação em Inglês e Espanhol e ele inteiro foi enviado como resposta ao informe de recepção.

Ele possui um total de 16 páginas e ocupa uma área de 5,65 m². Isso é mais de três vezes maior que o QSL da HCJB.

Este fascinante folheto QSL foi emitido por uma emissora de Caracas, Venezuela. Aparentemente ela era captada em uma ampla região, conforme mencionado na edição de Maio de 1933, que foi a segunda. Curiosamente ela é a emissora de radiodifusão mais antiga do país e que está celebrando seu 87º aniversário. Segue a sua história:

No dia 9 de Dezembro de 1930 uma nova emissora em ondas médias desde Caracas fez uma transmissão de teste de forma a exprimir amizade para com os Estados Unidos. Este evento ocorreu na praça que fica em frente ao Teatro Nacional e marcou a inauguração da estátua em homenagem à Henry Clay, um proeminente político norte-americano.

Houve outro transmissão no dia seguinte; na ocasião a Banda Naval a cargo do USS Northampton tocou no clube La Guaira, que ficava na cidade portuária de mesmo nome, a 32 km de Caracas.

No terceiro dia a estação foi oficialmente inaugurada em um série de eventos especiais no segundo andar do Edifício Almacen, que em seu telhado passou a abrigar os mastros das antenas.

Ela recebeu o indicativo YV1BC, sendo as duas primeiras letras alocadas à Venezuela, o número 1 por ser a primeira emissora de radiodifusão do país e BC para Broadcasting Company. O transmissor de ondas médias era uma unidade de 100W fabricado pela RCA nos Estados Unidos.

A emissora teve tanto sucesso que passou a ser planejado o aumento da área de cobertura. Um transmissor de 5 kW da RCA foi importado e instalado em uma outra localidade, no topo de uma montanha distante 7 km dos estúdios em Caracas.

O novo centro transmissor estava a uma altitude de 1200 metros acima do nível do mar; as duas torres estavam distantes 150 metros e tinham 60 metros de altura, suportando uma antena tipo T e o Mar do Caribe estava a apenas 2,5 km de distância. A alimentação da estação de ondas médias vinha de um gerador e a frequência de operação era 960 kHz.

É bastante provável que o transmissor de ondas curtas foi instalado na mesma localidade. Era provavelmente um equipamento fabricado pela RCA com potência de 200 watts em 6112 kHz ou 11695 kHz.

Logo após a inauguração da emissora na nova localidade um novo indicativo foi adotado. Na verdade a YV1BC não foi a primeira emissora do país. Houve quatro anos antes uma emissora governamental que, devido aos eventos políticos na época, foi fechada apenas dois anos depois de entrar em operação.

Quando houve a inauguração na nova localidade o indicativo YV2RC foi adotado, com YV indicando Venezuela, o número 2 para a segunda estação do país e RC para Radio Caracas, seu novo nome.

O novo transmissor de ondas curtas foi instalado em meados da década de 1930 e a frequência de 5800 kHz foi a preferida. Um outro indicativo foi alocado, neste caso YV5RC. Na década de 1940, um transmissor de ondas curtas de 7½ kW foi instalado sob o indicativo YV5RN. Cinco anos depois ele foi modificado para YV5KR.

Em 1951, o estilo radioamadorístico dos indicativos das emissoras de ondas médias e curtas da Venuzela foi abandonado e um novo padrão composto por quatro letras iniciado pelo prefixo YV foi introduzido. Na época, a frequência de 750 kHz passou a ser YVKS e a de ondas tropicais em 4920 kHz tornou-se YVKR. As transmissões em ondas tropicais foram encerradas na década de 1970, enquanto as ondas médias passaram a contar com 100 kW.

Esta foi a história da mais antiga emissora ainda em operação em ondas médias da Venezuela e que emitiu o maior QSL do mundo, há mais de 75 anos atrás.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx